PHILADELPHIA – O chefe da ferramenta de busca mais popular do mundo encorajou estudantes universitários a se afastar do mundo virtual e criar relações humanas. Falando na formatura de uma turma da Universidade da Pennsylvania, o presidente e CEO do Google Eric Schmidt disse para mais de seis mil graduandos que eles precisam encontrar as respostas que realmente importam, vivendo uma vida analógica por um tempo.
– Desliguem os seus computadores. Vocês precisam mesmo desligar seus telefones e descobrir tudo que há de humano a sua volta – disse Schmidt – Nada é melhor do que segurar a mão de um neto que dá os primeiros passos.
” Desliguem os seus computadores. Vocês precisam desligar seus telefones e descobrir tudo que há de humano a sua volta “.
Schmidt, doutor pela Universidade da California, em Berkeley, recebeu também um doutorado honorário em ciências na cerimônia. A presidente da universidade, Amy Gutmann, citou as “diversas contribuições de Schmidt para colocar o mundo nas mãos da humanidade”.
– Você devotou sua carreira a criar uma nova era de aprendizado potencializado pela tecnologia – disse Gutmann.
Em seu discurso, Schmidt lembrou que a escola da Pennsylvania teve uma papel chave na indústria da tecnologia ao criar o ENIAC, um dos primeiros computadores eletrônicos, em 1946.
– Literalmente tudo que você vê – todos os computadores, celulares, aparelhos – vem dos princípios inventados aqui – afirmou.
Nos próximos 10 anos, prevê, a tecnologia vai avançar ao ponto de tornar possível ter 85 anos de vídeos armazenados em um iPod. Schimidt também orientou os alunos a não traçarem um caminho rígido demais para si mesmos, pois recompensas surgem para aqueles que cometem erros e aprendem com eles.
– Você não pode planejar a inovação, mas pode estar pronto para ela. E quando vê a oportunidade surgir, saltar para ela e fazer a diferença.
A classe de 2009 está se formando num clima econômico complicado, mas esse tempo de crise pode ser também de inovação, disse Schmidt. Ele lembrou que sucrilhos e latas de cerveja são produtos da Grande Depressão.
O CEO comparou ainda, em tom jocoso, a “geração do Google e do Facebook” à sua própria: celulares x cabines telefônicas, Wii x Pong, blogs x jornais, Red Bull x Tang.
Ainda mais notável, segundo Schmidt, é o fato de que as pessoas de sua geração passavam a vida tentando esconder seus momentos embaraçosos. Já a geração atual grava e publica esses momentos no YouTube, disse, arracandos gargalhadas da plateia.
– E eu espero assistir a isso pelos próximos 30 ou 40 anos.

Fonte: O GLOBO- Caderno Tecnologia ( reprodução na íntegra)/ Acesso dia 19/Maio 2009.

Comentário
Nada como uma advertência de quem “quase vive” pela tecnologia para atentarmos um pouco mais para o tema.Ao ler textos assim,fica-nos a tarefa de refletir em como as relações humanas, às vezes já tão fragilizadas, correm ainda mais o risco de serem totalmente sufocadas pelas tecnologias e suas parafernálias.O que realmente nos importa?

Anúncios