A Biblioteconomia deu vida a Ciência da Informação. Por que a filha tenta matar a mãe? E por que os bibliotecários não fazem nada para conter isso?

Australiano devolve livro com 53 anos de atraso e leva multa de R$ 8,5 mil

Raymond McLaren tinha pego emprestado livro em 1957. Ele fez questão de pagar multa pelos 19.350 dias de atraso.

Em 53 anos quantas centenas de usuários poderiam ter utilizado o livro?, tendo por base um emprestimo de 7 dias, num mês com 4 semanas. Um ano não bisexto tem 52 semanas + 1 dia. Isso daria 2 757 semanas. Que equivale ao número de usuários prejudicados se considerarmos não renovações e outros atrasos.

Se cada usuário pegasse esse livro e devolvesse na data certa e outro usuário pegasse imediatamente e fizesse o mesmo e assim por diante, o livro sairia da biblioteca 2 757 vezes para 2 757 usuários teoricamente distintos.

Imagine o custo para a instituição.

Não falo do valor material do livro, nem do valor simbólico, mas falo do valor informacional, tendo em vista que muitos livros estão esgotados, e sem possibilidade de re-impressão por exemplo, quem ai lembra da série primeiros-passos da Brasiliense. Pois é uma ótima coleção introdutória, mas que não temos outras tiragens.

O que houve com essa informação? Foi perdida, a menos que você conheça as bibliotecas que tem. E se todos os usuários fizessem isso? Acho que teriamos uma biblioteca “virtual e invisível” pois não teriamos mais livros nas unidades de informação e somente prateleiras vazias.

Na verdade minha idéia de biblioteca perfeita é uma que não tenha livros, nem revistas, nem multimeios, nem mapas, nem cartas etc. Uma biblioteca perfeita para mim é uma em que todos os livros estão com os usuários que buscam o conhecimento. E o bibliotecário iria mediar a informação atender a demandas vias web e atender off-line aos que não tem acesso ao compuador (isso não necessáriamente significa que esses usuários não terão acesso à informação)

Me perdoem os bibliotecários (colegas) mas uma biblioteca repleta de livros SEMPRE é uma ingerência uma falta de ação de marketing para bibliotecas, falta de divulgação e interação com o usuário. Seja numa empresa ou numa universidade, somos hoje quase dependentes quimícos de informação, ela faz parte de nós de uma forma que temos crise de abstinência quando não a temos.

Então por que as bibliotecas ficam cheias de livros, revistas e tudo mais? Seria o material desinteressante? ou seria que o usuário não sabe o que a sua biblioteca tem?

Isso mesmo! o usuário é que é o dono da biblioteca e não o profissional da informação. O bibliotecário administra o recurso que lhe foi confiado. Seria como o presidente de uma nação, que está ali para representar os cidadãos e defender seus interesses, assim deve ser o bibliotecário.

Mas voltando ao assunto do senhor com atraso de 53 anos. A multa por si só não me agrada. Parece que estamos “alugando” o acervo e não disponibilizando-o. Sei que muitas bibliotecas utilizam esses rendimentos para a sua manutenção e compra de novos materiais. Mas para o usuário… Será que ele não pensa: ah vou ficar com esse livro esse semestre por causa dos trabalhos (e muitas vezes sequer lê) mas no final paga uma quantia e “tudo resolvido”.

Por outro lado a suspenção fere um principio da Biblioteconomia se não todos eles. Negar informação a um usuário não é o que nos define como profissionais da informação, e sim o contrário.

Acho que nos bibliotecários deveriamos deixar de nos envaidecer com a Ciência da Informação e re-inventar a roda e pesquisarmos e desenvolvermos métodos que garantam o desenvolvimento da PROFISSÃO e não somente a ciência.

Da mesma forma que todas as outras classes profissionais.

Se chegarmos num congresso, encontro, simpósio, palestra o diabo a 4 não se vê um trabalho apresentado de biblioteconomia só da famosa Ciência da Informação.

E por isso problemas elementares da nossa prática são deixados de lado. Nas escolas de biblioteconomia nos empurram goela a baixo muitos conteúdos da CI e assuntos típicos da biblioteconomia são negligenciados.

Isso pode causa polêmica mas não me importo estou aqui para agitar e ser criticado. Não tenho medo de defender o que acredito, e quem achar que estou errado (melhor) me questione apresente argumentos vamos debater a Biblioteconomia (com B maiúsculo)

Mas vou lançar a polêmica: A Biblioteconomia deu vida a Ciência da Informação. Por que a filha tenta matar a mãe?

Fonte: Outro lado – Criação e tecnologia na web
Sobre o Autor: Rafael Marinho (rafaelmarinho71@gmail.com) é arquiteto de informação, consultor em gestão da informação e mantém o blog [Bibliotecário Virtual].

Anúncios